Natal Com Jesus

Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o governo está sobre os seus ombros. E ele será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Pai Eterno, Príncipe da Paz (Is 9.6).

Introdução

Na semana passada vimos como é impossível termos o Natal sem Jesus. Mesmo que a cultura do nosso tempo seja secular e muito materialista, não há como deixar passar esta data sem lembrarmos do que fez o Salvador da Humanidade.

Hoje, gostaria de avaliar como é o Natal quando Jesus está conosco. É claro que não deixa de ser uma data festiva, de mobilização social, de reuniões de família, de paz mundial, e outras coisas, mas é bem mais que tudo isso. Inclusive, tudo aquilo que nos inspira e emociona nesta época tem origem em Jesus. Acho que você vai gostar de saber disso.

O texto que lemos em Isaías é uma profecia que foi liberada pelo profeta 750 anos antes de Jesus nascer. Muito tempo, né? Pois é, Isaías é um profeta especial no que diz respeito à vinda e ao ministério de Jesus. Ele fez referência ao nascimento (7.14), ao seu domínio (9.6,7), e até mesmo ao seu sofrimento (capítulo 53). Inúmeras outras passagens de Isaías nos remetem a Jesus, o Messias prometido por Deus. Estamos falando de um texto realmente inspirado por Deus e que nos ajudam a compreender a vida e a obra do Filho de Deus.

No capítulo 9 verso 6, Isaías faz uma descrição de Jesus e da qualidade de seu domínio. Eu, particularmente, gosto da primeira frase: “Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o governo está sobre os seus ombros”. Apresenta Jesus como um ser humano, mas que detém o governo sobre todas as coisas. Os títulos que seriam dados ao Messias são referentes ao seu ministério na Terra e na vida das pessoas. Vamos ver o que o Natal com Jesus nos provê.

Maravilhoso Conselheiro

Conselheiro maravilhoso. Com Jesus nós temos a direção certa para as nossas vidas. Ao longo da vida nós nos cercamos de muitos conselheiros, alguns bons, outros nem tanto assim. E precisamos de bastante discernimento para distinguirmos bons conselhos de maus conselhos.

Quando confiamos em Jesus e permitimos que ele nos aconselhe, sempre vamos acertar. Seus conselhos não são como outro qualquer, seus conselhos são acima da média, sobrenaturais, e vêm de quem conhece o futuro. Como é bom poder contar com a Palavra dele, já que ele conhece o futuro, então temos a certeza de que seremos bem sucedidos.

Seus conselhos vão nos levar para o bem, para o centro de sua vontade, para o amor ao próximo e a generosidade. Seus conselhos vão nos fortalecer e animar, vão nos acalmar e equilibrar. O Natal realmente vale a pena quando passamos a confiar nele de todo o coração, recebendo e obedecendo aos seus conselhos.

Deus Poderoso

Não se você já percebeu o quanto nós, seres humanos, somos frágeis? Qualquer bactéria nos derruba, um pequeno acidente e nos quebramos, uma palavra mal falada e nos ferimos, um temporal e a casa cai, o rio enche a vem a destruição. Além disso, sofremos a opressão causada pelo diabo e seus demônios, das circunstâncias contrárias à nossa vontade e além das nossas capacidades. Tão inteligentes, mas muitas vezes incapazes de lidar com os problemas da vida.

É por isso que o Messias é o Deus Poderoso. Não é um deus qualquer, um amuleto, ou uma mandinga, ou uma imagem muda, cega, surda. Também não é uma força da natureza ou um animal sagrado. É o Deus Poderoso, o Deus Forte! Esse é o nosso Deus. Ele tem todo o poder sobre o Céu e sobre a Terra, ele tem poder sobre o tempo, sobre o espaço, sobre a história das pessoas. Ele é o Senhor sobre tudo e sobre todos (Sl 24.1).

O Natal tem outro significado quando pensamos que aquele pequeno bebê, que nasceu numa manjedoura, não ficou pra sempre frágil e pequeno, mas revelou-se o Deus Forte sobre toda a humanidade. O Deus em quem podemos confiar para vencer as lutas e os problemas do dia a dia. O Deus que cura, que sara, que nos transforma, que muda situações e circunstâncias porque nos ama.

Pai Eterno

Um dos problemas do homem do nosso tempo é a falta de referencial de autoridade e paternidade. Estudos têm demonstrado que a ausência do afeto dos pais é um dos fatores predominantes na delinqüência juvenil. Muitas vezes não a ausência paterna, mas o exercício da paternidade de modo equivocado.

Isaías apresenta Jesus como o Pai Eterno, uma referência à sua insistência em nos amar com o amor mais original e puro que poderia haver, o amor daquele que gerou. Tenho percebido que muitas pessoas têm dificuldade em se relacionar com Deus porque seus pais terrenos não foram um bom modelo de graça, amor e aceitação. Muitas vezes o oposto disso.

A violência, a indiferença, a ausência paterna dos nossos lares contrastam com a proposta de amor e perdão que nos faz o Pai Eterno. O Natal passa a ter outro significado quando entendemos que acima de nossos referenciais terrenos de pai e mãe, temos o grande e eterno (pra sempre), amor de Jesus. A promessa é de suprimento, presença, instrução, disciplina, cuidado, amparo, e muito amor.

Príncipe da Paz

Você já percebeu que parece que mesmo que a humanidade evolua em tecnologia, educação, conhecimento, conquistas, descobertas, mesmo assim, não consegue ter paz? Nem a paz externa, entre pessoas e entre nações, nem a paz interna, no coração do próprio homem. O que será que está faltando?

Falta o Príncipe da Paz. Ao longo dos séculos o homem vem propondo a paz. A gente tem até prêmios pra quem consegue convencer uma boa parcela de pessoas a fazerem a paz. O desafio não é simplesmente fazer a paz entre pessoas, mas lançar alicerces de paz nos fundamentos das nações, da educação, dos valores morais e éticos que construímos. Jesus pode fazer isso.

Ele pode não apenas porque disse que pode. Mas porque fez. Ele deu testemunho do que é ser um verdadeiro pacifista. Não apático ou alienado, mas confrontando quando necessário, a fim de que valores sejam transformados para alicerçar a paz. Enquanto o coração do homem estiver repleto de egoísmo e ambições vãs, ele jamais terá paz consigo mesmo ou com os outros. Assim, a grande proposta de Jesus é mudar o coração das pessoas. Ele diz: “A boca fala do que está cheio o coração.” Não erramos ao parafrasear: “O corpo faz aquilo do que está cheio o coração”. Sempre vamos agir conforme nossos valores e desejos, por isso é preciso transformar a nossa maneira de pensar.

O Natal será diferente quando entendermos que a paz pode ser uma constante e não apenas uma celebração anual. Se permitirmos que o Príncipe da Paz reine em nossas vidas, então tudo será diferente.

Conclusão

O Natal com Jesus é além da celebração que vemos ao final de um ano. É um Natal contínuo, constante, de bom espírito, de boas ações, de generosidade e paz. Não precisamos viver isso somente nas duas últimas semanas de dezembro, mas podemos experimentar essa maravilhosa vida todos os dias do ano. O texto diz: “o governo está sobre os seus ombros”, vamos permitir que ele tenha o governo das nossas vidas. Vamos convidá-lo a ser mais do que uma lembrança e passar a ser o Senhor das nossas vidas.

Você já imaginou comemorar o Natal com o Maravilhoso Conselheiro, o Deus Forte, o Pai Eterno e o Príncipe da Paz? Aí sim a celebração será inesquecível.

Deus abençoe você.

Feliz Natal!

Rawlinson Rangel

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s